fbpx

Blog

Latest News
A violência de cada dia: Mulheres Negras continuam sendo as maiores vítimas

A violência de cada dia: Mulheres Negras continuam sendo as maiores vítimas

Todos os dias nos deparamos com notícias de violência contra as mulheres. Fato que se impõe e escancara o machismo estrutural e a cultura patriarcal que impulsionam a violência e assédio, denunciando a desigualdade de gênero, a desigualdade social e a falta de políticas públicas para amparar estas vítimas, em seus vários aspectos e entre eles na condição emocional, marcada pelo desamparo.

Entre os dados estatísticos (Anuário Brasileiro de Segurança Pública), as mulheres negras são as maiores vítimas de agressões, homicídio e feminicídio, demonstrando que a raça é determinante na história de vida destas mulheres. Estereótipos construídos ao longo dos séculos influenciam a construção da identidade da mulher negra, fazendo com que a violação contra elas seja “autorizada” ou vista como “normal”. E ainda hoje, na escuta de algumas mulheres, nos deparamos com a condição de que muitas delas, vítimas de violência, também acabam achando que a violência contra elas é normal.

O que predomina, em muitas destas situações é o medo, a desesperança e até a dependência emocional em relação ao agressor. Aspectos estes que destroem a autonomia, a autoestima e capacidade de empoderamento destas mulheres.

Sobreviver e encontrar pessoas, numa rede de apoio é tarefa árdua. Felizmente muitas mulheres negras ou de outras raças, conseguiram sair da violência, mas outras ainda permanecem em sofrimento. Neste sentido a sociedade precisa se movimentar combatendo a naturalização da violência.

No dia a dia, as pequenas mudanças na vida das mulheres, vítimas de agressões, podem vir a partir da escuta de seu sofrimento e desenvolvimento de recursos emocionais em processos terapêuticos.

Mudanças estas que podem pôr fim aos anos de muita dor e desamparo.

Marcia Schaly

Marcia Schaly

View all posts by Marcia Schaly

Psicóloga e Psicanalista, graduada em Psicologia pela UFPR, especialista em Psicopatologia da Infância e adolescência e especialista em Psicologia Clínica e hospitalar. Possui 17 anos de experiência em hospital psiquiátrico. É sócia da Associação Psicanalítica de Curitiba. Atende em consultório particular e no laboratório do hospital Evangélico Mackenzie.

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.